10 curiosidades sobre James Baldwin, autor de “Se o disseres na montanha” e “O quarto de Giovanni”

Publicado em Portugal, desde 2018, pela Alfaguara Portugal, chancela que pertence ao grupo editorial Penguin Random House, e, após a edição de três dos seus romances, neste caso, “Se esta rua falasse” (2018), “Se o disseres na montanha (2019) e “O quarto de Giovanni (2020), James Baldwin teve, em novembro de 2023, “Da Próxima Vez, o Fogo”, o seu primeiro livro de não-ficção a chegar às livrarias lusas.
Abaixo, listo algumas curiosidades sobre este autor:

1. James Arthur Baldwin nunca conheceu o seu pai biológico, foi criado pelo padrasto, David Baldwin, um ministro batista, com quem mantinha uma relação tensa.

2. Em 1948, com apenas 24 anos e praticamente sem dinheiro, Baldwin mudou-se para Paris para se afastar do preconceito que enfrentava na América. Numa entrevista à The Paris Review, em 1984, Baldwin falou sobre os motivos para deixar a América em 1948. “A minha sorte estava a esgotar-se. Eu iria para a prisão, mataria alguém ou seria morto. O meu melhor amigo tinha-se suicidado dois anos antes.

3. Durante a década de 1960, tornou-se um proeminente ativista dos direitos civis nos Estados Unidos. Escreveu e discursou sobre questões raciais, participou de debates e marchas, e manteve amizade com outros líderes do movimento pelos direitos civis, como Martin Luther King Jr. e Malcolm X. Ao escrever sobre racismo e a homofobia, desafiou as normas sociais da época e defendeu a igualdade e a justiça para todos.

4. Embora tivesse uma máquina de escrever, preferia escrever à mão, num bloco de folhas pautadas. 

5. Embora seja mais conhecido pelos seus romances, também escreveu sobre o cinema americano — e estava particularmente interessado no que o cinema tinha a dizer sobre raça.

6. O FBI tinha um ficheiro sobre Baldwin com quase 1.900 páginas.

7. Foi o primeiro artista afro-americano a aparecer na capa da revista Time.

“Se o disseres na montanha”, de James Baldwin
(Trad. Isabel Lucas, ed. Alfaguara Portugal, 248 páginas)

Um dos 100 melhores livros de sempre.
— Time

8. “Se só pudesse escrever um livro na vida, seria este.”, afirmou Baldwin sobre o seu primeiro romance Se o disseres na Montanha (1953).

“O quarto de Giovanni”, de James Baldwin
(Trad. Valério Romão, ed. Alfaguara Portugal, 192 páginas)

“Um livro singular, de um realismo brutal e de extraordinária sensibilidade e lirismo.”
— Chicago Sunday Tribune

9. Escreveu extensivamente sobre a sua sexualidade. No romance “O Quarto de Giovanni“, inovador para a época, retrata uma relação entre dois homens. Ao publicá-la em 1956, Baldwin quebrou mais do que um tabu: era um escritor negro a escrever sobre o amor entre dois homens brancos. O seu editor aconselhou-o a queimar o manuscrito, mas volvido este tempo O quarto de Giovanni é uma das obras mais célebres de Baldwin. Defendeu os direitos LGBTQ+ e escreveu ensaios e artigos sobre as suas experiências, numa época em que a homossexualidade ainda era amplamente estigmatizada e criminalizada em muitas partes do mundo.

10. Em 2017, trinta anos após a sua morte, voltou ao palco graças a um documentário baseado na sua obra: “I am not your negro”.

Sobre o autor:
Nascido em Nova Iorque em 1924, no bairro de Harlem, onde cresceu e estudou, James Baldwin partiu para França em 1948 para fugir ao racismo e homofobia existente no seu país de nascimento. Em 1953, publicou o primeiro romance, “Se o disseres na montanha”, que foi recebido com excelentes críticas. Entre as suas obras mais importantes encontram-se “Se esta rua falasse”, “O quarto de Giovanni”, “Da próxima vez, o fogo”, “Going to meet the man”, “Notes of a native son”, “Another country”. Desde cedo que se destacou como romancista, ensaísta, poeta e dramaturgo. A par desse percurso multifacetado a nível da escrita, ainda se notabilizou como uma das vozes mais influentes do movimento de direitos civis. Foi o primeiro artista afro-americano a aparecer na capa da revista Time. Faleceu, a 1 de dezembro de 1987, devido a um cancro no estômago, em Saint-Paul-de-Vence, em França. Em 2017, trinta anos após a sua morte, voltou ao palco graças a um documentário baseado na sua obra: ”I am not your negro”.

Sugestões de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Se o disseres na montanha”, de James Baldwin (Alfaguara Portugal, Wook):
https://www.wook.pt/livro/se-o-disseres-na-montanha-james-baldwin/23579758
“Se esta rua falasse”, de James Baldwin (Alfaguara Portugal, Wook):
https://www.wook.pt/livro/se-esta-rua-falasse-james-baldwin/22177255
“O quarto de Giovanni”, de James Baldwin (Alfaguara Portugal, Wook):
https://www.wook.pt/livro/o-quarto-de-giovanni-james-baldwin/24102364
“Da Próxima Vez, o Fogo”, de James Baldwin (Alfaguara Portugal, Wook):
https://www.wook.pt/livro/da-proxima-vez-o-fogo-james-baldwin/29428203

Leitores residentes no Brasil:
“O quarto de Giovanni”, de James Baldwin (Companhia das Letras, Amazon Brasil):
https://www.amazon.com.br/quarto-Giovanni-James-Baldwin/dp/8535931325
“Se a Rua Beale Falasse”, de James Baldwin (Companhia das Letras, Amazon Brasil):
https://www.amazon.com.br/rua-Beale-falasse-James-Baldwin/dp/8535931945
“Terra estranha”, de James Baldwin (Companhia das Letras, Amazon Brasil):
https://www.amazon.com.br/Terra-estranha-James-Baldwin/dp/8535931384
“Notas de um filho nativo”, de James Baldwin (Companhia das Letras, Amazon Brasil):
https://www.amazon.com.br/Notas-filho-nativo-James-Baldwin/dp/853593376X

Boas leituras!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top