Novidades Editoriais

Mais 16 lançamentos para março de 2021

Hoje, trago mais 16 lançamentos que vão chegar, a partir de amanhã, com a reabertura das livrarias em Portugal. Esta é a 3ª parte dos lançamentos previstos para este mês, sendo que no final deste post estão os links para as partes anteriores.

15.03.2021: “O Doutor Fausto”, de Thomas Mann (ed. Relógio D’Água, 592 páginas, com tradução de António Sousa Ribeiro)

“Em ‘O Doutor Fausto’, Mann alcançou a síntese de um mito da história, uma filosofia da arte e uma fábula imaginada de rara solenidade. Neste livro, a meditação surge totalmente da circunstância ficcional.” — George Steiner

Fonte: Relógio D’Água Editores

Sinopse:
Neste romance, publicado em 1947, Thomas Mann apresenta-nos a história do músico e compositor fictício Adrian Leverkühn, contada pelo seu amigo de infância, Serenus Zeitblom. Tal como o Fausto lendário, Adrian vende a alma ao diabo para poder realizar a sua grande obra. A criatividade do jovem Leverkühn parece destiná-lo ao sucesso, mas a sua ambição é a autêntica grandeza. É visitado por um ser mefistofélico, que lhe propõe que renuncie ao amor e à sua alma em troca de vinte e quatro anos de génio.

Leverkühn atravessa um período de grande criatividade musical que acaba por ser posto em causa pela sua obsessão com o Apocalipse e o Juízo Final e pelo progresso da sua loucura. O Doutor Fausto é um dos romances mais ousados de Thomas Mann, ao combinar música e política, realidade, símbolo e tradições, estando ao nível de “Os Buddenbrook” e “A Montanha Mágica”.

Sobre o autor:
Thomas Mann nasceu em 1875, na cidade alemã de Lübeck. A sua carreira literária inicia-se de modo fulgurante em 1901, com a publicação de “Os Buddenbrook”. Seguiram-se-lhe obras como “Tonio Kröger”, “A Morte em Veneza” e “A Montanha Mágica”, entre outras, que lhe valeram a atribuição do Prémio Nobel em 1929. Em 1933, com a subida de Hitler ao poder, Mann muda-se primeiro para a Suíça e depois para os EUA, onde lecionou na Universidade de Princeton e se naturalizou americano. São desta época obras como a tetralogia “José e os seus Irmãos”, “Lotte em Weimar” e “O Doutor Fausto”. Thomas Mann faleceu em 1955, em Zurique.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
**”O Doutor Fausto”, de Thomas Mann (Relógio D’Água, Wook):
https://www.wook.pt/livro/o-doutor-fausto-thomas-mann/24677251
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 15-03-2021.

15.03.2021: “Jack” – Livro 4, Série Gilead, de Marilynne Robinson (ed. Relógio D’Água, 280 páginas, com tradução de Alda Rodrigues)

“Para os fãs de Robinson, John Ames Boughton, personagem principal do quarto volume da saga Gilead, é uma das figuras literárias mais aguardadas desde Godot.” — The New York Times Book Review

Fonte: Relógio D’Água Editores

Nomeado um dos melhores livros de 2020 pelo Financial Times, o The Guardian e a TIME.

Sinopse:
Em “Jack”, Marilynne Robinson, vencedora do Prémio Pulitzer de Ficção, regressa a Gilead, lugar mítico onde decorrem os seus anteriores romances, Gilead, Home e Lila. Marilynne Robinson retoma as personagens que interrogam as complexidades da história americana, assim como o poder das emoções num mundo marcado pelo sagrado. Jack conta-nos a história de John Ames Boughton, o filho pródigo de um pastor presbiteriano de Gilead, e do seu romance com Della Miles, professora de inglês, também ela filha de um pregador. Um amor profundo, atormentado e inter-racial, que se move nos paradoxos da América contemporânea.

Sobre a autora:
Marilynne Robinson nasceu em novembro de 1943, em Sandpoint, no estado de Idaho, nos EUA. Estudou na Pembroke College, da Brown University, tendo-se doutorado na Universidade de Washington em 1977. O seu primeiro romance, “Housekeeping” (1980), foi distinguido com o Prémio Hemingway Foundation/PEN. “Gilead” (2004) obteve o Prémio Pulitzer de Ficção e o National Book Critics Circle Award. O The Guardian considerou-o o segundo melhor livro do século XXI. Com “Home”, recebeu o Orange Prize for Fiction e o Los Angeles Times Book Prize, e, com “Lila”, o National Book Critics Circle Award. Em 2012, recebeu a Medalha Nacional de Humanidades, pela “sua escrita elegante e inteligente”. Os seus livros de não-ficção incluem “The Givenness of Things”, “When I Was a Child I Read Books”, “Absence of Mind”, “The Death of Adam” e “Mother Country”. Vive em Iowa City, no Iowa.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
**“Jack” – Livro 4, Série Gilead, de Marilynne Robinson (Relógio D’Água, Wook): 
https://www.wook.pt/livro/jack-marilynne-robinson/24677249
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 15-03-2021.

17.03.2021: “O Rapaz do Bosque”, de Harlan Coben (ed. Editorial Presença, 352 páginas, com tradução de Maria João Freire de Andrade)

“Quando pensamos que Harlan Coben não pode superar as nossas expectativas, ele escreve um novo thriller ainda melhor. Não conseguimos parar de ler.” – San Francisco Chronicle

Fonte: Editorial Presença

Sinopse:
Um homem com um passado misterioso tem de encontrar uma adolescente desaparecida. Um thriller emocionante.

Há trinta anos, Wilde foi encontrado a viver no bosque, sem qualquer recordação do seu passado. Agora, adulto, ainda não conhece a sua origem. e outra criança está desaparecida.

Ninguém parece levar a sério o desaparecimento de Naomi Pine, nem sequer o seu pai. Mas há uma exceção. Hester Crimstein, advogada criminal televisiva, sabe pelo seu neto que Naomi era constantemente vítima de bullying na escola. Hester pede a Wilde – com quem partilha uma ligação trágica – para usar a sua capacidade única para encontrar Naomi.

Wilde não pode ignorar o desaparecimento daquela adolescente mas, para conseguir encontrar Naomi, tem de aventurar-se de novo no seio da comunidade, um lugar onde os poderosos são protegidos, mesmo quando guardam segredos que podem destruir a vida de milhões – segredos que Wilde tem de desvendar antes que seja demasiado tarde.

Sobre o autor:
Com mais de setenta milhões de exemplares da sua obra publicada em todo o mundo, Harlan Coben é autor de inúmeros romances de suspense que são bestsellers do jornal The New York Times. A Editorial Presença publicou doze títulos do autor, incluindo “Não Fujas Mais”. Coben foi o primeiro escritor a vencer os três mais prestigiados prémios da literatura policial nos Estados Unidos da América: o Edgar Award, o Shamus Award e o Anthony Award. Os seus livros estão traduzidos em quarenta e três línguas por todo o mundo e chegaram a número um na lista de vendas em mais de uma dúzia de países. Vive em Nova Jérsia com a mulher e os filhos.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“O Rapaz do Bosque”, de Harlan Coben (Editorial Presença, Wook):
https://www.wook.pt/livro/o-rapaz-do-bosque-harlan-coben/24669360
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 17-03-2021.

17.03.2021: “Conquistar um sedutor”, de Nicole Jordan (ed. Marcador, 256 páginas, com tradução de Luís Silva dos Santos)

“Dois protagonistas à altura um do outro envolvem-se numa batalha muito divertida de inteligência e astúcia no mais recente livro da sensual série de Nicole Jordan.” — Booklist

Fonte: Marcador

Sinopse:
Será possível despertar o amor num homem seguindo os conselhos de um livro? Depois de ler um manual que está a granjear enorme sucesso entre as debutantes de Londres, Eleanor Pierce decide experimentar as sugestões da autora com um belo príncipe italiano. Mas, de repente, reaparece na sua vida o ex-noivo, Damon Stafford, visconde de Wrexham, a tentar de todas as formas atrapalhar a sua relação com o nobre pretendente.

Damon não perdeu a capacidade de causar estragos, nem o encanto e a desenvoltura que dois anos antes a fizeram apaixonar-se perdidamente por ele. E quando o fogo da paixão se reacende, Eleanor começa a perguntar-se se não deveria mudar de objetivo.

Sobre a autora:
Nicole Jordan é autora de inúmeros romances históricos, com mais de sete milhões de livros impressos. Os seus livros aparecem regularmente em diversas listas de bestsellers, incluindo a do New York Times, do USA Today e da Publishers Weekly. Foi finalista dos Rita Awards (da Romance Writers of America) e venceu o Dorothy Parker Award of Excellence para melhor romance histórico.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Conquistar um sedutor”, de Nicole Jordan (Marcador, Wook):
https://www.wook.pt/livro/conquistar-um-sedutor-nicole-jordan/24669362
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 17-03-2021.

19.03.2021: “A Polícia da Memória”, de Yoko Ogawa (ed. Relógio D’Água, 248 páginas, com tradução de Inês Dias)

“Uma das mais conceituadas escritoras do Japão explora temas como a verdade, a vigilância do Estado e a autonomia individual, num trabalho que ecoa o “Mil Novecentos e Oitenta e Quatro”, de George Orwell, o “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury, e o “Cem Anos de Solidão”, de Gabriel García Márquez, ao mesmo tempo que afirma uma voz própria.” – Time Magazine

Fonte: Relógio D’Água Editores

Finalista do International Booker Prize
Finalista do National Book Award
New York Times: Um dos 100 Melhores Livros do Ano

Sinopse:
Um romance orwelliano sobre os terrores da vigilância do Estado, de uma das mais importantes escritoras japonesas da atualidade.

Numa ilha sem nome, situada numa costa anónima, há objetos que começam a desaparecer. Primeiro chapéus, depois fitas, pássaros e rosas — até que a situação se agrava. A maioria dos habitantes permanece desatenta a estas mudanças, e os poucos com poder para recuperar os objetos perdidos vivem receosos da Polícia da Memória, entidade que assegura que o que desaparece permanece esquecido.

Quando uma jovem mulher, que luta por manter uma carreira de romancista, descobre que o seu editor está em perigo, elabora um plano para o ocultar debaixo da sua casa. À medida que medo e sentimento de perda se aproximam, rodeando-os, agarram-se à escrita como modo de preservar o passado.

“A Polícia da Memória” será brevemente adaptado a série de televisão, realizada por Reed Morano (The Handmaid’s Tale), com argumento de Charlie Kaufman (Being John Malkovich, Eternal Sunshine of the Spotless Mind).

Sobre a autora:
Yoko Ogawa nasceu a 30 de março de 1962, em Okayama, no Japão. Graduou-se na Universidade de Waseda e vive atualmente em Ashiya, Hyogo, com o marido e o filho. Desde 1988 publicou numerosas obras de ficção e não-ficção, muitas delas premiadas, traduzidas em inúmeros idiomas e adaptadas ao cinema.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“A Polícia da Memória”, de Yoko Ogawa (Relógio D’Água, Wook):
https://www.wook.pt/livro/a-policia-da-memoria-yoko-ogawa/24677252
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 19-03-2021.

19.03.2021: “A Noite do Morava”, de Peter Handke (ed. Relógio D’Água, 296 páginas, com tradução de Ana Falcão Bastos)

“Peter Handke comanda um dos grandes estilos de prosa em língua alemã do período pós-guerra, uma retórica ribeirinha profunda, rápida e contrária à corrente.” – Joshua Cohen, The New York Times Book Review

Fonte: Relógio D’Água Editores

Sinopse:
Uma misteriosa convocatória reúne, numa casa-barco no rio Morava, alguns amigos e colaboradores de um velho escritor. Juntos ouvem, até ao amanhecer, a história que ele tem para lhes contar sobre a odisseia pela Europa de um outrora famoso escritor. A história revela etapas do passado do narrador e do continente, que a guerra, a morte e outras subtis erosões do tempo tornaram irrecuperáveis.

As suas divagações levam-no dos Balcãs a Espanha, Alemanha e Áustria, de um congresso de especialistas sobre as consequências do ruído a um ajuntamento clandestino internacional de virtuosos da harpa de judeu. Mas a história e a sua narração são assombradas por uma bela desconhecida. Uma mulher que detém um controlo absoluto sobre o escritor.

Sobre o autor:
Escritor austríaco, Peter Handke nasceu em Griffen, na Áustria, a 6 de dezembro de 1942. Passou aí a sua infância e também em Berlim Leste. Fez o liceu num seminário católico e, em 1961, ingressou no curso de Direito da Universidade de Graz. Durante os seus tempos de estudante, Handke frequentou o grupo de escritores «Forum Stadtpark» e publicou artigos na revista Manuskripte. Abandonou os estudos após a publicação do seu primeiro romance Die Hornissen, em 1965. Desde então tem dedicado a sua vida à escrita, destacando-se como dramaturgo, mas também como romancista, poeta, argumentista e realizador de cinema. Foi o vencedor do Prémio Nobel de Literatura 2019. Atualmente vive em Chaville, França.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“A Noite do Morava”, de Peter Handke (Relógio D’Água, Wook):
https://www.wook.pt/livro/a-noite-do-morava-peter-handke/24677253
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 19-03-2021.

22.03.2021: “À Nossa Hora”, de Laura Jane Williams (ed. Topseller, 320 páginas)

“Uma comédia romântica fresca, inteligente e moderna. Um romance visto pelos olhos de uma cética. Fiquei completamente rendida.” — Beth O’Leary, autora de “Apartamento Partilha-se” e “A Troca”

Fonte: Topseller

Sinopse:
Ele apanha o metro sempre a horas.
Ela anda quase sempre atrasada.
Só o destino dirá se alguma vez
Se irão encontrar.

Todos os dias, sem falha, Nadia tenta apanhar o metro das 7h30. Só que há manhãs em que não acorda a tempo e outras em que se deixa ficar a dormir na casa da amiga Emma, depois de uma noite de conversa bem regada a vinho… Daniel apanha sempre o metro das 7h30. Não tem qualquer problema em acordar a horas porque não consegue dormir bem desde a morte do pai. Ainda que muitas vezes andem desencontrados, Daniel repara em Nadia numa das ocasiões em que ela não perde o metro.

E é num desses dias que Nadia se depara com um intrigante anúncio na secção Ligações Perdidas do jornal diário: Para a loura arrasadoramente gira na linha do Norte, com manchas de café no vestido. Sou o tipo que está junto às portas da tua carruagem. Bebemos um copo um dia destes? Quem será a afortunada destinatária de tais palavras? Emma está convencida de que o anúncio é dirigido a Nadia, mas ela não se tem em tão boa conta. Afinal, o que haveria de a fazer sobressair no meio de tantas outras mulheres que entornam o café por cima da roupa no metro?

Sobre a autora:
Laura Jane Williams é natural de Derbyshire, Inglaterra. Concluiu com distinção os cursos de Escrita Criativa e de Escrita para os Media na Universidade de Derby. Para financiar os estudos, dava aulas de Inglês como Língua Estrangeira nas férias e vendia carrinhos de bebé numa conhecida cadeia de lojas da especialidade. Escreveu para vários sites e publicações, como o The Telegraph, a Stylist, a Closer, a Metro e o Buzzfeed.  Estreou-se na ficção com “À Nossa Hora”, depois de dois livros de não-ficção: “Becoming” e “Ice Cream for Breakfast”. A sua obra está traduzida para 12 idiomas, em 18 países.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“À Nossa Hora”, de Laura Jane Williams (Topseller, Wook):
https://www.wook.pt/livro/a-nossa-hora-laura-jane-williams/24676594
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 22-03-2021.

23.03.2021: “Quarentena – Uma história de amor”, de José Gardeazabal (ed. Companhia das Letras Portugal, 208 páginas)

“Uma das grandes vozes da literatura portuguesa.” — José Riço Direitinho, Público

Fonte: Companhia das Letras Portugal

Sinopse:
Um casal, decidido a separar-se e de malas feitas, é obrigado pelas autoridades de saúde a uma quarentena. O seu apartamento transforma se numa arena de proximidade física e distâncias calculadas, onde os restos da vida amorosa e o trautear televisivo de uma pandemia mudam o mundo por dentro e por fora.

Ali, sob o regime forçado de uma intimidade perdida, percebemos como, entre antigos amantes, vizinhos e desconhecidos, a saudade das multidões e dos sentimentos sempre estiveram à altura de nos resgatar do peso do presente.

Um olhar provocador sobre uma experiência colectiva.
Uma introspecção inesperada, à porta fechada, sobre o que é o amor, onde começa, acaba e recomeça.

Uma história de amor em 40 dias.

Sobre o autor:
Nasceu em Lisboa, onde vive actualmente. Viveu, trabalhou e estudou em Luanda, Aveiro, Boston e Los Angeles. Em 2013, viu o seu conto “Várias Versões de uma Catástrofe” publicado na Granta portuguesa. Em 2015, foi distinguido com o Prémio INCM/Vasco Graça Moura com o livro de poesia “História do Século Vinte”. Em 2016, publicou “Dicionário de Ideias Feitas em Literatura”, uma colectânea de prosa curta, e em 2017 lançou-se na dramaturgia com a publicação de três peças de teatro a que chamou “Trilogia do Olhar”. “Meio Homem Metade Baleia”, editado em 2018, foi o seu primeiro romance. Depois dele, surgiu “A Melhor Máquina Viva” que chegou às livrarias em fevereiro de 2020.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Quarentena – Uma história de amor”, de José Gardeazabal (Companhia das Letras Portugal, Wook):
https://www.wook.pt/livro/quarentena-uma-historia-de-amor-jose-gardeazabal/24677157
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 23-03-2021.

23.03.2021: “Gambito de Dama”, de Walter Tevis (ed. Suma de Letras Portugal, 360 páginas)

“Beth Harmon é uma criação inesquecível – e ‘Gambito de Dama’ é a obra mais consumada e comovente de Walter Tevis.” – Jonathan Lethem, autor de “Órfãos de Brooklyn”

Fonte: Suma de Letras Portugal

Sinopse:
Quando a mãe de Beth Harmon, de oito anos, morre num acidente de viação, a menina é enviada para orfanato em Mount Sterling, Kentucky. Simples, taciturna e tímida, ao que tudo indica, Beth não se destaca# até jogar a sua primeira partida de xadrez. Os seus sentidos ficam mais aguçados, o pensamento mais claro e, pela primeira vez na sua vida, ela sente-se totalmente no controlo.

Sem dinheiro nenhum, Beth está desesperada para aprender mais sobre esse jogo que se tornou a sua vida – rouba uma revista de xadrez, dinheiro suficiente para entrar num torneio e também alguns dos tranquilizantes da mãe adoptiva, nos quais está viciada.

Aos treze anos, vence um torneio de xadrez; aos dezasseis, compete no US Open Championship; aos dezoito, é campeã dos Estados Unidos – e a Rússia espera por ela# Mas, à medida que Beth aprimora as suas habilidades no circuito profissional, as apostas ficam mais altas, o seu isolamento fica mais assustador, as suas incontroláveis adicções e a ideia de escapar tornam-se ainda mais tentadoras.

Sobre o autor:
Walter Tevis (1928-1984) foi professor de literatura na Universidade de Ohio. Ele escreveu sete livros, três dos quais foram adaptados para o cinema com enorme sucesso: “A Vida É Um Jogo” (1961), estrelado por Paul Newman; a sua continuação “A Cor do Dinheiro” (1984), dirigida por Martin Scorsese, novamente, com Newman (Oscar de melhor ator por essa obra) com Tom Cruise; e “O homem que veio do espaço”, com David Bowie). A sua ficção, nos moldes da melhor literatura americana do século, reúne com enorme entusiasmo narrativo e paixão vários dos hobbies de Tevis, incluindo bilhar e xadrez, e cria personagens inesquecíveis, vítimas de suas fraquezas e salvos pelo seu gênio natural. “Gambito de Dama” tem sido elogiada pelos melhores enxadristas do mundo por sua fidelidade ao jogo, utilizando na trama os melhores games da história, e mostrando a miséria e a glória de um personagem inesquecível que coloca toda a sua vida no tabuleiro.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Gambito de Dama”, de Walter Tevis (Suma de Letras Portugal, Wook):
https://www.wook.pt/livro/gambito-de-dama-walter-tevis/24554818
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 23-03-2021.

23.03.2021: “Becoming – A Minha História para Jovens Leitores”, de Michelle Obama (ed. Nuvem de Tinta, 432 páginas, com tradução de Margarida Filipe, Patrícia Xavier, Ester Cortegano, Isabel Veríssimo, Lucília Filipe e Maria de Fátima Carmo)

“Michelle Obama conta toda a sua história às novas gerações, com a honestidade, o humor e a simplicidade que a distinguem.”

Fonte: Nuvem de Tinta

Sinopse:
Michelle Robinson nasceu na zona sul de Chicago. Apesar das suas origens humildes, viria a tornar-se Michelle Obama, a inspiradora e poderosa primeira dama dos Estados Unidos. Com o seu marido, Barack Obama, eleito o quadragésimo quarto presidente, seriam a primeira família negra na Casa Branca e serviriam o país por dois mandatos.

Michelle cresceu num apartamento no andar superior da casa da sua tia-avó, onde partilhava o quarto com o irmão mais velho, Craig. Os pais, Fraser e Marian, inundaram-nos de amor e energia. O pai, que Michelle adorava, ensinou-os a trabalhar arduamente, a cumprir a sua palavra e a não esquecer de rir. A mãe ajudou-os a pensar pela própria cabeça, usar a sua voz e não ter medo.

Mas a vida não tardou a levá-la para longe da casa da família. Com determinação, planos cuidadosamente traçados e ambição de ir longe, Michelle estava ansiosa por expandir a esfera da sua vida para fora da escola em Chicago. Foi estudar para a Universidade de Princeton, onde aprendeu o que era ser a única mulher negra na sala. Mais tarde, entrou na Faculdade de Direito de Harvard e, depois de se formar, voltou para Chicago, onde se tornou uma influente advogada. No entanto, os seus planos mudaram quando conheceu e se apaixonou por Barack Obama.

Sobre a autora:
Numa vida cheia de significado e feitos, Michelle Obama, que nasceu a 17 de janeiro de 1964, em Chicago no estado do Illinois, apresenta-se como uma das mulheres mais emblemáticas e incontornáveis da nossa era. Formou-se em direito pela Universidade Princeton e pela Harvard Law School. Como Primeira-dama dos Estados Unidos da América, visto que é esposa de Barack Obama, o 44º Presidente dos EUA, ajudou a criar a Casa Branca mais acolhedora e inclusiva na história, ao mesmo tempo que se estabeleceu como uma poderosa defensora de mulheres e meninas nos Estados Unidos da América e em todo o mundo, mudando drasticamente a forma como as famílias procuram uma vida mais saudável e ativa, estando sempre ao lado do marido enquanto este conduzia os destinos daquele país, acompanhando alguns dos seus momentos mais angustiantes. Ao longo do caminho, Michelle mostrou-nos ainda alguns passos de dança, deu-nos a conhecer a sua mestria no Karaoke, e criou duas filhas sob uma pressão mediática implacável. em 2018, publicou a sua biografia sob o título de “Becoming”.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Becoming – A Minha História para Jovens Leitores”, de Michelle Obama (Nuvem de Tinta, Wook):
https://www.wook.pt/livro/becoming-a-minha-historia-para-jovens-leitores-michelle-obama/24658778
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 23-03-2021.

23.03.2021: “O homem mais feliz do mundo”, de Eddi Jaku (ed. Editora Objetiva Portugal, 176 páginas)

“Depois de ler este livro, sinto que fiz um amigo. Uma história bela contada por um homem verdadeiramente surpreendente.” — Daily Telegraph

Fonte: Editora Objetiva Portugal

Sinopse:
Eddie Jaku nasceu na Alemanha em 1920 no seio de uma família judaica, sempre carregando com orgulho a sua nacionalidade. No entanto, tudo isso mudou drasticamente em Novembro de 1938, quando foi detido, espancado e levado para um campo de concentração. Depois de sobreviver aos mais desumanos horrores, perder os seus familiares, amigos e o seu país, Eddie fez uma promessa: sorrir todos os dias. Hoje acredita ser o «homem mais feliz do mundo».

Por ocasião do seu 100. º aniversário, Eddie Jaku oferece-nos um testemunho poderoso, desolador e, ao mesmo tempo, derradeiramente optimista de como a felicidade pode ser encontrada até no momento mais sombrio da Humanidade.

Sobre o autor:
Eddie Jaku nasceu na Alemanha, em 1920, com o nome de Abraham Jakubowicz. A sua família considerava-se, acima de tudo, alemã, colocando a identidade judia em segundo plano. No dia 9 de novembro de 1938, naquela que ficaria para a História como a Noite de cristal, Eddie regressou do colégio interno e encontrou a casa vazia. Nessa madrugada, soldados nazis invadiram a casa, agrediram Eddie e levaram-no para Buchenwald. Foi libertado e conseguiu fugir, com o pai, para a Bélgica e, depois, para França, apenas para voltar a ser capturado e enviado de novo para um campo. Quando estava a caminho de Auschwitz, Eddie torna a fugir para a Bélgica, onde viveu, escondido, com os pais e a irmã. Em outubro de 1943, a família de Eddie é capturada e enviada para Auschwitz, onde os pais viriam a ser assassinados. Em 1945, Eddie consegue escapar da Marcha da Morte a que foi forçado e esconde-se numa floresta até junho de 1945, altura em que é resgatado por soldados aliados. Em 1950, Eddie muda-se para a Austrália com a família. É voluntário no Museu Judeu de Sydney desde a sua fundação. O «homem mais feliz do mundo» viveu paredes meias com a morte, quotidianamente, durante a Segunda Guerra Mundial e, porque sobreviveu, fez um juramento: sorrir todos os dias. Eddie é casado com Flore há 74 anos. Têm dois filhos, netos e bisnetos.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“O homem mais feliz do mundo”, de Eddi Jaku (Editora Objetiva Portugal, Wook):
https://www.wook.pt/livro/o-homem-mais-feliz-do-mundo-eddie-jaku/24570400
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 23-03-2021.

25.03.2021: “Segredo Mortal, de Bruno M. Franco (ed. Cultura Editora, 488 páginas)

“Uma investigação capaz de mudar a vida como a conhecemos.”

Fonte: Cultura Editora

Sinopse:
Na véspera de Natal, cheias massivas submergem o centro de Lisboa, causando danos incalculáveis e centenas de mortes. Designada por Desastre de Lisboa, a catástrofe é atribuída ao aquecimento global. Mas terá resultado realmente das alterações climáticas?

Um cenário aterrador é descoberto numa praia. Chamados a intervir, Leonardo Rosa e Marta Mateus, inspetores da Polícia Judiciária, deparam-se com a mais tortuosa perversidade: Um puzzle humano. Iniciando uma caça ao homem, descobrem o perfil de um assassino, perigoso e inteligente, que desafia as capacidades dos inspetores. Assombrado pelos seus próprios fantasmas, Leonardo Rosa terá de ultrapassar barreiras para conseguir chegar à verdade: A descoberta de um segredo incrível.

Entretanto, um jovem recém-licenciado é acusado de dois crimes que ele jura não ter cometido. Encurralado, decide fugir e provar a sua inocência, mas logo se envolve numa teia de acontecimentos que o leva a uma conclusão terrível: Matar é a única forma de sobreviver. Em busca de justiça e da verdade, vários acontecimentos sangrentos levam os inspetores e o jovem a embrenharem-se na maior conspiração de todas. Conseguirão sair dela vivos?

Sobre o autor:
Bruno M. Franco é um escritor português nascido em setembro de 1990. Licenciado em Radioterapia, trabalha no IPO de Lisboa. Praticou natação de competição desde 2002 até 2016, representando o Clube Lisnave e, mais tarde, o Clube de Instrução e Recreio do Laranjeiro. Sempre que pode, continua a dar umas braçadas com a sua equipa. Segredo Mortal é o seu livro mais ambicioso e promete surpreender todos os leitores. Ocupa parte do seu tempo a escrever no seu blogue pessoal, onde se podem encontrar alguns textos inéditos do autor.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
**”Segredo Mortal”, de Bruno M. Franco (Cultura Editora, Wook): 
https://www.wook.pt/livro/segredo-mortal-bruno-m-franco/24669373
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 25-03-2021.

25.03.2021: “Esteiros”, de Soeiro Pereira Gomes (ed. Quetzal Editores, 256 páginas)

“‘Esteiros’ resiste até mesmo a esta vontade de apagar da literatura o empenhamento político-social; é precisamente essa a frescura da escrita, essa autenticidade das personagens nas suas condutas e nas suas frases, essa poeticidade flagrante.” – Urbano Tavares Rodrigues

Fonte: Quetzal Editores

Sinopse:
Passam, em 2021, oitenta anos sobre a primeira edição de Esteiros, de 1941 (com capa original de Álvaro Cunhal) – um livro que marcou várias gerações de leitores ao mostrar-lhes personagens que ficaram para sempre na nossa recordação, «os filhos dos homens que nunca foram meninos» (é essa a dedicatória a abrir o romance): Gaitinhas, Guedelhas, Gineto, Maquineta e Saguí. São eles os heróis anónimos de um diálogo entre o humano e a Natureza, a denúncia da injustiça e a busca de redenção, a solidariedade e a denúncia da pobreza e da penúria.

O romance, uma das referências mais emblemáticas do movimento neorrealista português, foi de leitura obrigatória nas escolas secundárias portuguesas durante duas décadas. É hoje um livro quase esquecido. No entanto, graças à sua ingenuidade, bravura e simplicidade, Esteiros é um documento marcante da história portuguesa do século xx – e deve ser relido para que não esqueçamos a fotografia amarga desses anos.

Sobre o autor:
Joaquim Soeiro Pereira Gomes (Baião, 1909 – Lisboa, 1949) estudou em Espinho e Coimbra (onde tirou o curso de regente agrícola) e trabalhou em Angola. Fixou-se em Alhandra e, a partir de 1939, começa a escrever no semanário oposicionista O Diabo. Tendo aderido ao PCP em 1937, passou à clandestinidade em 1944, sendo eleito para o Comité Central em 1946. Além de Esteiros (cujo desenho da capa da primeira edição é de Álvaro Cunhal), na sua bibliografia há ainda outro romance, Engrenagem (publicação póstuma em 1951), bem como recolhas de contos (Contos Vermelhos ou Refúgio Perdido e Outros Contos) e de crónicas. A sua correspondência com a mulher, Manuela Câncio dos Reis, está publicada no livro Eles Vieram de Madrugada (1981).

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Esteiros”, de Soeiro Pereira Gomes (Quetzal Editores, Wook):
https://www.wook.pt/livro/esteiros-soeiro-pereira-gomes/24394477
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 25-03-2021.

25.03.2021: “Almoço de Domingo”, de José Luís Peixoto (ed. Quetzal Editores, 264 páginas)

“Uma reflexão sobre a idade, a fortuna e o amor profundo de uma família reunida em torno do patriarca e das suas recordações.”

Fonte: Quetzal Editores

Sinopse:
Um romance, uma biografia, uma leitura de Portugal e das várias gerações portuguesas entre 1931 e 2021. Tudo olhado a partir de uma geografia e de uma família.

Com este novo romance de José Luís Peixoto acompanhamos, entre 1931 e 2021, a biografia de um homem famoso que o leitor há de identificar — em paralelo com história do país durante esses anos. No Alentejo da raia, o contrabando é a resistência perante a pobreza, tal como é a metáfora das múltiplas e imprecisas fronteiras que rodeiam a existência e a literatura. Através dessa entrada, chega-se muito longe, sem nunca esquecer as origens. Num percurso de várias gerações, tocado pela Guerra Civil de Espanha, pelo 25 de abril, por figuras como Marcelo Caetano ou Mário Soares e Felipe González, este é também um romance sobre a idade, sobre a vida contra a morte, sobre o amor profundo e ancestral de uma família reunida, em torno do patriarca, no seu almoço de domingo.

Sobre o autor:
Nasceu em Galveias, em 1974. José Luís Peixoto é um dos autores de maior destaque da literatura portuguesa contemporânea. A sua obra ficcional e poética figura em dezenas de antologias, traduzidas num vasto número de idiomas, e é estudada em diversas universidades nacionais e estrangeiras. Em 2001, acompanhando um imenso reconhecimento da crítica e do público, foi atribuído o Prémio Literário José Saramago ao romance “Nenhum Olhar”. Em 2007, “Cemitério de Pianos” recebeu o Prémio Cálamo Otra Mirada, destinado ao melhor romance estrangeiro publicado em Espanha. Com “Livro”, venceu o prémio Libro d’Europa, atribuído em Itália ao melhor romance europeu publicado no ano anterior, e em 2016 recebeu, no Brasil, o Prémio Oceanos com “Galveias”. As suas obras foram ainda finalistas de prémios internacionais como o Femina (França), Impac Dublin (Irlanda) ou o Portugal Telecom (Brasil). Na poesia, o livro “Gaveta de Papéis” recebeu o Prémio Daniel Faria e “A Criança em Ruínas” recebeu o Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores. Em 2012, publicou “Dentro do Segredo”, uma viagem na Coreia do Norte, a sua primeira incursão na literatura de viagens. Os seus romances estão traduzidos em mais de trinta idiomas.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Almoço de Domingo”, de José Luís Peixoto (Quetzal Editores, Wook):
https://www.wook.pt/livro/almoco-de-domingo-jose-luis-peixoto/21332198
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 25-03-2021.

25.03.2021: “Arsène Lupin: Gentleman Ladrão”, de Maurice Leblanc (ed. Relógio D’Água)

“Encarado como a irónica resposta francesa a Sherlock Holmes, este é o primeiro livro de uma série de vinte títulos empolgantes que Maurice Leblanc dedicou a Lupin, uma das personagens mais marcantes do policial de sempre.”

Fonte: Relógio D’Água Editores

Sinopse:
O livro que inspirou a série da Netflix

Arsène Lupin, Gentleman e Ladrão é uma colectânea de nove contos, inicialmente publicados na revista Je sais tout em Julho de 1905. Esta colaboração resultara de um convite do editor da revista, que procurava uma alternativa às narrativas policiais de Sherlock Holmes, de Arthur Conan Doyle.

A obra conheceu um enorme sucesso com a criação de um protagonista dotado de imaginação fértil, agilidade física e mental, sentido de humor, elegância e com uma falta de escrúpulos associada a um código de honra que o levava a proteger sempre os mais frágeis.

Neste primeiro livro, Arsène Lupin demonstra a sua capacidade para esconder jóias de um modo original, escapar à prisão, assaltar cofres, descobrir jóias falsas, mostrando ainda como desde rapaz se revelara o seu talento de assaltante.

Em breve, a Relógio D’Água publicará também o segundo e terceiro volume da série.

Sobre o autor:
Nascido em Rouen, no ano de 1864, Maurice Leblanc, que era filho de um construtor naval, cedo se dedicou à escrita. Para ser mais exacto, o seu género de eleição era a literatura policial. Nesse sentido, escreveu romances policiais e livros de aventuras centrados na figura de Arsène Lupin. Estes alcançaram um  grande sucesso junto dos leitores, em particular nos países de língua francesa. Embora se tenha formado em Direito, nunca exerceu, e a escrita era a sua única atividade, tendo chegado a colaborar com diversos jornais. Faleceu em 1941.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Arsène Lupin: Gentleman Ladrão”, de Maurice Leblanc (Relógio D’Água, site da editora):
https://relogiodagua.pt/produto/arsene-lupin-gentleman-ladrao/
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 25-03-2021.

25.03.2021: “O Ano do Pensamento Mágico, de Joan Didion (ed. Cultura Editora, 182 páginas)

“Um ato de coragem literária consumada, uma escritora conhecida pela sua clareza que nos permite observar a sua mente enquanto ela se torna nublada pela dor… Também retrocede no tempo [para] evocar um retrato cintilante do seu casamento único… Para tornar a sua dor real, Didion mostra-nos o que ela perdeu.” — Lev Grossman, Time

Fonte: Cultura Editora

Sinopse:
“A vida muda num instante. Num dia normal.”

É assim que Joan Didion inicia a sua viagem pela memória do ano mais transformador da sua vida, começando na noite em que o seu marido, o escritor John Dunne, com quem foi casada mais de 30 anos, morre de ataque cardíaco, e a sua única filha está em coma no hospital. Com uma escrita tão assertiva como limpa, tão honesta como desarmante, Didion investiga os vivos que sobrevivem aos mortos, revelando, através da sua experiência pessoal, aquilo que é universal a todos: a dor da perda, a necessidade da superação quando tudo parece inútil.

Num registo por vezes jornalístico, recorrendo a estudos, especialistas ou a poemas e obras de arte, outras vezes confessional e literário, mas escapando da autopiedade, Didion deixa o fluxo da sua consciência viajar pelas memórias do casamento, pela experiência da maternidade e da escrita, recordações que emergem a cada momento, quando trata do funeral do marido ou visita a filha inconsciente no hospital.

Sobre a autora:
Joan Didion, norte-americana, é autora de romances, obras de não ficção, peças de teatro e filmes. O seu estilo jornalístico, que o New York Times descreveu como «elegante, sofisticado e irónico», fez dela uma das vozes literárias que melhor revelou a identidade da América do seu tempo. “O Ano do Pensamento Mágico” foi finalista do Prémio Pulitzer e valeu-lhe o National Book Award em 2005. O livro foi adaptado ao teatro e a peça estreou na Broadway em 2007.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
**”O Ano do Pensamento Mágico”, de Joan Didion (Cultura Editora, Wook): 
https://www.wook.pt/livro/o-ano-do-pensamento-magico-joan-didion/21077773
** Obs: Livro em pré-venda. Envio a partir de 25-03-2021.

Para quem não ficou a par dos novos livros que vão chegar, ou já chegaram, às livrarias, neste mês de março, estes são os links:
Parte 1: https://sonhandoentrelinhas.pt/blog/estes-sao-8-livros-que-vao-chegar-as-livrarias-portuguesas-em-marco-de-2021/
Parte 2: https://sonhandoentrelinhas.pt/blog/mais-8-lancamentos-que-vao-chegar-as-livrarias-portuguesas-em-marco-de-2021/

Também estamos no Instagram:
https://www.instagram.com/sonhandoentrelinhas/

Boas leituras!

About author

Articles

Criativo, Criador do Sonhando Entre Linhas, amo ler, e escrever. Gosto de ler quase todos os géneros literários. Amo autores como Valter Hugo Mãe, Fernando Pessoa, José Saramago, João Pinto Coelho, Itamar Vieira Junior, Jeferson Tenório, entre outros. Desde agosto de 2019, trabalho no Grupo LeYa Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *