Tradução

Ibrahim Aybek fez chegar “Os Lusíadas”, de Camões, pela primeirs vez, à Turquia, numa edição traduzida para o turco

A célebre epopeia “Os Lusíadas”, dedicada por Camões a D. Sebastião, onde os feitos heroicos dos Portugueses durante a empreitada dos descobrimentos marítimos foram eternizados, acabou de chegar à Turquia, numa tradução realizada por Ibrahim Aybek, ainda que a língua portuguesa não seja uma das línguas mais ouvidas por aquelas paragens.

Ibrahim Aybek, arquiteto e diplomata que, em 2020, decidiu traduzir a obra maior de Luís de Camões e explicou à agência Lusa, que “sempre teve a ideia de traduzir Camões para o turco”.

A trabalhar na agência turca de cooperação, com missões em Moçambique e em São Tomé, Ibrahim Aybek colocou mãos à obra com a chegada da pandemia de covid-19 e com o confinamento. Dessa forma, mergulhou “a fundo” na obra de Camões, o que só lhe foi possível por ter aprendido português em 2008 quando frequentou o programa Erasmus em Portugal.

Se a ideia de traduzir “Os Lusíadas” já tinha alguns anos, não avançou para o projeto de imediato por pensar que ainda não dominava suficientemente a língua portuguesa para o fazer. Contudo, não desistiu do sonho, tal como não desistiu da aprendizagem da língua portuguesa na qual foi avançando sempre até atingir um nível “mais maduro” que lhe permitisse traduzir Camões.

“Já sabia que Camões nunca tinha sido traduzido para turco. Ninguém tivera coragem para o fazer. Não é um texto fácil, antes pelo contrário, é um texto antigo, que também tem um sistema de rimas e um sistema métrico especifico.” — Ibrahim Aybek

Adicionalmente, a curiosidade de Ibrahim Aybek pelos textos antigos foi a “motivação” para mergulhar na leitura daquela obra de Camões bem como na de traduções em inglês, espanhol e francês.

“Se não houvesse traduções em línguas atuais, estou em crer que nunca conseguiria traduzir a obra, porque há muitos termos que já não se utilizam.” — Ibrahim Aybek

Mesmo tendo sido impossível manter os versos em decassílabos, Ibrahim Aybek disse tê-los mantido em “comprimentos iguais para serem mais próximos do original”.

“Foi um trabalho difícil, mas no final acho que ficou um produto bom”, realçou, a propósito da obra de 450 páginas que esta terça-feira entrou no circuito livreiro turco com uma tiragem inicial de 1000 exemplares.

Quando foi interpelado sobre se teria havido alguma parte de “Os Lusíadas” que o tivesse encantado mais, Ibrahim Aybek disse que todo o livro “é uma obra-prima”. Além das narrações sobre as viagens dos navegadores, o tradutor deslumbrou-se com “O velho do Restelo”, por este traduzir um “sentimento comum a muitos povos e que continua a persistir no presente”.

Ibrahim Aybek sublinhou que “tentou explicar os versos de Camões da forma mais clara possível”, razão que o fez, por decisão pessoal, transmitir questões culturais específicas, através de mais de 1200 notas de rodapé na obra.

Publicado pela editora Ötuken Nesriyat, que “sempre reconheceu valor ao trabalho que estava a ser desenvolvido”, Ibrahim Aybek diz que chegou a recorrer ao representante do Instituto Camões em Ancara, sem sucesso.

No entanto, a tradução de “Os Lusíadas” em turco não é a única tarefa em português que ocupa Ibrahim Aybek que se encontra a elaborar um dicionário de Português-Turco, há vários anos. Depois de ter escrito uma gramática de Português para turcofalantes, que já vai na segunda edição e é a única disponível no país, Ibrahim Ayek aposta agora num dicionário académico de português. Um trabalho que desenvolve desde 2018 e que já conta com 15.000 entradas, avançou à agência Lusa.

“’Os Lusíadas’ vão criar muita curiosidade em qualquer pessoa que os leia, é um clássico mundial.” – Ibrahim Aybek

Outro dos seus sonhos é traduzir José Saramago para o turco, apesar de o Prémio Nobel da Literatura 1998 contar com várias obras traduzidas para aquela língua.

Ibrahim Aybek está convicto de que os dois países podem estabelecer “relações mais activas” e, pra que o intercâmbio cultural entre Portugal e Turquia “aumentasse e melhorasse”, ele desafia os tradutores portugueses a traduzirem clássicos turcos.

“Mesveni”, de Rumi, uma obra essencial sobre o sufismo, e “Yunus Emre Divani”, uma obra essencial sobre o humanismo, são os livros que Ibrahim Aybek gostaria de ver traduzidos em português.

Foto: Painéis de Camões por Enric Vives-Rubio
 
Sobre o autor:
Poeta português (1524-1580) por excelência e um dos grandes nomes da literatura europeia do Renascimento. Pouco ou nada se sabe sobre a sua família, infância e juventude. Terá sido educado nas formas de cultura clássicas e também na literatura moderna, o que se depreende da sua posterior produção literária. Soldado, aventureiro, mulherengo apaixonado, Camões esteve em África e no Oriente português. Envolveu-se em polémicas e com mulheres casadas, esteve preso por diversas vezes e produziu uma das mais importantes obras literárias no quadro da literatura europeia da época. «Os Lusíadas» é uma das obras mais traduzidas da literatura portuguesa e reconhecida como uma das mais poderosas e brilhantes epopeias da literatura do renascimento europeu. A sua lírica e teatro são igualmente notáveis e invulgares, e as cartas um testemunho histórico valiosíssimo.

Também estamos no Instagram:
https://www.instagram.com/sonhandoentrelinhas/

Boas leituras!

About author

Articles

Criativo, Criador do Sonhando Entre Linhas, amo ler, e escrever. Gosto de ler quase todos os géneros literários. Amo autores como Valter Hugo Mãe, Fernando Pessoa, José Saramago, João Pinto Coelho, Itamar Vieira Junior, Jeferson Tenório, entre outros. Desde agosto de 2019, trabalho no Grupo LeYa Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *