Em 2024, o jornal Público estabelece parceria com a revista Quatro cinco um para o projeto Encontro de Leituras

O jornal PÚBLICO e a  revista Quatro cinco um acabam de lançar uma nova parceria editorial ao redor dos livros publicados nos dois lados do Atlântico.

Tendo como ponto de partida o Encontro de Leituras — clube de leitura que durante os últimos três anos foi realizado pelo PÚBLICO com a Folha de S.Paulo na plataforma Zoom —, a parceria vai incluir, a partir de março, um espaço editorial fixo nos dois veículos e uma newsletter mensal sobre o trânsito literário e editorial entre os países de língua portuguesa.

O Encontro de Leituras junta leitores de língua portuguesa e discute romances, ensaios, memórias, literatura de viagem e obras de jornalismo literário na presença de um escritor, editor ou especialista convidado.

Nesta nova fase, a jornalista Isabel Coutinho, responsável pelo site do PÚBLICO dedicado aos livros, o Leituras, e Paulo Werneck, diretor de redação da Quatro cinco um, vão apresentar juntos as reuniões mensais. 

Convém salientar que os encontros acontecem, sempre, às segundas terças-feiras de cada mês, às 19h do Brasil e 22h de Portugal. No entanto, neste mês de fevereiro, excepcionalmente, a sessão será na terceira terça-feira, em razão do feriado de Carnaval. 

“Também os Brancos Sabem Dançar”, de Kalaf Epalanga
(ed. Editorial Caminho, 384 páginas)

O convidado deste mês é o escritor angolano Kalaf Epalanga, que vai discutir com os leitores o seu romance “Também os brancos sabem dançar”, publicado pelas editoras Todavia (Brasil) e Editorial Caminho (Portugal). O acesso ao clube é gratuito, o evento é aberto a todos os que queiram participar e pode ser acessado através do ID 821 5605 8496 e da senha de acesso 719623. Para se inscrever, basta acessar este link.

O evento não é transmitido nas redes, nem disponibilizado depois. É uma experiência para ser vivida por aqueles que se juntam à sessão. Os melhores momentos são depois publicados no podcast Encontro de Leituras, disponível no Spotify, Apple Podcasts, SoundCloud ou outros aplicativos habituais. 

Além dos encontros virtuais, todos os meses, a editoria especial Encontro de Leituras vai publicar materiais jornalísticos sobre autores do Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné Bissau e Timor que tenham sido lançados dos dois lados do oceano.

Além disso, a newsletter mensal Encontro de Leituras ainda vai trazer notas, curiosidades, imagens e informações sobre as novidades das livrarias e os eventos literários em Lisboa, São Paulo, Rio de Janeiro e outras cidades onde se fala português. Ocasionalmente, na programação de festivais e em outras ocasiões, eventos presenciais serão realizados.

Isabel Coutinho, juntamente com a jornalista brasileira Úrsula Passos, foi responsável pela concepção do clube de leitura, ainda durante a pandemia. A primeira edição aconteceu em dezembro de 2020. Segundo ela, “tem sido muito gratificante assistir ao diálogo entre todos estes leitores do mundo lusófono ou estudiosos da língua portuguesa”. 

Na avaliação de Paulo Werneck, o projeto Encontro de Leituras “é um reflexo do bom momento editorial e literário entre os países de língua portuguesa, com a atuação transatlântica de editoras, festivais, livrarias e outros projetos ligados ao livro e à literatura, em iniciativas muitas vezes espontâneas, independentes de iniciativas governamentais”. 

Para David Pontes, diretor do PÚBLICO, a parceria com a revista da Quatro Cinco Um “junta o prazer com a vontade da partilha”. “Somos dois títulos que se entregam empenhadamente à divulgação da literatura, porque amamos ler e acreditamos na oportunidade que ela nos oferece para a reflexão, diálogo e compreensão mútua. É essa a experiência de partilha dentro da comunidade da língua portuguesa que tem feito do Encontro de Leituras um espaço de encontros únicos”.

Foto: Kalaf Epalanga por Keita Mayanda

Sobre o autor:
Nascido na cidade de Benguela, em Angola, no ano de 1978, Kalaf Epalanga é músico e escritor. Ficou conhecido à frente da banda Buraka Som Sistema. Hoje, vive entre Lisboa e Berlim, e define-se como “agitador cultural”. Foi cofundador do selo musical Enchufada, cronista do jornal português Público e da GQ Portugal, bem como do jornal angolano independente Rede Angola. Reuniu as suas crônicas em duas coletâneas: “Estórias para meninos de cor” (2011) e “O angolano que comprou Lisboa (por metade do preço)” (2014). “Também os brancos sabem dançar” (2018) narra a sua trajetória musical, a história do kuduro e da kizomba, e faz um retrato de Benguela e da Lisboa que o recebeu.

Sugestão de Leitura:

Leitores residentes em Portugal:
“Também os Brancos Sabem Dançar”, de Kalaf Epalanga (Editorial Caminho, Wook):
https://www.wook.pt/livro/tambem-os-brancos-sabem-dancar-kalaf-epalanga/20916008

Leitores residentes no Brasil:
“Também os Brancos Sabem Dançar ”, de Kalaf Epalanga (Editora Todavia, Amazon Brasil):
https://www.amazon.com.br/Tamb%C3%A9m-os-brancos-sabem-dan%C3%A7ar/dp/8593828728

Boas leituras!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top